TAPADA NACIONAL DE MAFRA . PATRIMÓNIO NATURAL COM HISTÓRIA

 

… mais do que razões para visitar este lugar de biodiversidade, onde as aves constituem um dos grupos de fauna mais representativos… a Floresta Encantada da Tapada Nacional de Mafra.

Criada em 1747, no reinado de D. João V, como um parque de lazer do rei e da corte – na envolvente do Palácio Nacional de Mafra, a Tapada Nacional de Mafra constitui hoje um património natural de características únicas, onde, numa área de mais de 800 ha, veados, gamos, javalis, raposas, aves de rapina e muitas outras espécies coexistem num cenário de floresta invulgarmente rica e diversificada.

É este património natural de inquestionável valor que servirá de mote à visita na Tapada Nacional de Mafra.

Os visitantes da floresta encantada da Tapada Nacional de Mafra, irão:

  • Aprender a interpretar uma floresta madura e autóctone;
  • Descobrir à lupa sinais da vida por entre pegadas de Gamos, Veados e Javalis.
  • Reconhecer a diversidade de habitats (bosques, pastagens, matos e linhas de água) como uma ilha de Biodiversidade, onde o grande grupo dos mamíferos será manifestamente explorado, para além dos muitos anfíbios, répteis e aves que irão seguramente observar.

Programa de Escolas aqui

Screen Shot 2017-03-19 at 10.57.44.png

Programa Primavera 2017 aqui

Screen Shot 2017-03-19 at 10.52.18.png

NOTAS HISTÓRICAS SOBRE A TAPADA DE MAFRA

D. João V, o “Rei Magnânimo” (1689-1750), mandou construir um Palácio-Convento na Vila de Mafra em cumprimento da promessa que fez, caso a Rainha lhe desse descendência.
Este grandioso monumento, construído numa época de grande prosperidade real, em resultado da exploração de ouro e diamantes do Brasil, constitui uma obra-prima do Barroco Português.

A Real Tapada de Mafra foi criada em 1747 com o objectivo de proporcionar um adequado envolvimento ao Monumento, de constituir um espaço de recreio venatório do Rei e da sua corte e ainda de fornecer lenha e outros produtos ao Convento.

Com uma área de 1200 hectares, a Real Tapada de Mafra era rodeada por um muro de alvenaria de pedra e cal, com uma extensão de 21 Km.

A Tapada foi dividida em três partes separadas por dois muros construídos em 1828, estando actualmente a primeira, com 360 hectares, sob administração militar.

Desde o século XVIII até à Implantação da República, a Real Tapada de Mafra foi local privilegiado de lazer e de caça dos monarcas portugueses, sendo contudo, nos reinados de D. Luís (1861-1899) e de D. Carlos (1899-1908) que a Tapada conheceu o seu período áureo como parque de caça.

Com a implantação da República passou a designar-se Tapada Nacional de Mafra (TNM), sendo utilizada fundamentalmente para o exercício da caça e para actos protocolares.

A partir de 1941 foi submetida ao regime florestal total, sob tutela da Direcção-Geral dos Serviços Florestais e Aquícolas, passando a ser gerida numa perspectiva mais ambiental.

Em 1993 a TNM foi concessionada à Empresa Nacional de Desenvolvimento Agrícola e Cinegético (ENDAC), uma sociedade de capital exclusivamente público na dependência do Ministério da Agricultura.

A partir de 1998 é criada uma Cooperativa de Interesse Público para aproveitamento dos recursos da TNM, com o Estado a deter posição maioritária no seu capital social, em parceria com a Câmara Municipal de Mafra e entidades privadas.”

Advertisements